Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Setembro, 2011

Porque é bom pra caramba. Aqui, um texto de Antônio Xerxenesky em que diz aquele que acredito ser o único motivo razoável para se preferir um livro contemporâneo a um clássico.

Porque dizer que uma obra escrita hoje, e, portanto, intimamente relacionada às questões atuais, participa mais do espírito do nosso tempo é algo tão enganoso quanto pensar que, lendo Eurípides, você aprenderá somente sobre a sensibilidade grega. Preferir o livro contemporâneo porque ele é mais contemporâneo é como preferir o grego porque ele é mais grego. Grande engano; o mesmo equívoco do classicista tradicional, mas com outro referencial.

Acontece que, creio, não há como não ser contemporâneo, ou ser menos contemporâneo. As leituras que eu fizer, as opiniões que eu sustentar sobre literatura ou qualquer arte, desde que sejam sinceras, serão inevitavelmente contemporâneas. Ainda que eu varra (ou pense varrer, não importa) o século XX dos meus horizontes artísticos. Dizer o contrário seria ignorar uma espécie de imperativo de ruptura que todos têm em sua formação. Pode-se romper com qualquer coisa, e, necessariamente, tem de se romper com alguma coisa.  Acho, na verdade, que essa independência é que define ser contemporâneo (em qualquer época), e, por isso, ler clássicos em vez de obras de hoje pode ser um gesto indubitavelmente contemporâneo. Certamente, não quero dizer que seja ruim ler os livros escritos aqui e hoje. Evidentemente, além de bom, isso é importante para se manter em contato com o que acontece lá fora. O que digo é que, ao cabo, todos partem do zero, e são contemporâneos. Descobrir o que têm em comum um classicista de hoje e um amante da literatura atual é descobrir o verdadeiro caráter de nossa contemporaneidade.

E, se é uma independência em relação ao passado que caracteriza o contemporâneo, o único jeito de não ser contemporâneo é ser dependente de uma forma. No caso, um classicista que ama o clássico por ser clássico – mas, também, um modernista que ama o moderno porque é moderno. O fetichismo classicista é equivalente ao fetichismo contemporâneo.

Infelizmente, não li ainda o livro obrigatório de I. Calvino sobre os clássicos. Mas queria deixar aqui algumas razões que me fariam tomar o partido restaurador nessa guerra eterna entre presente e passado. Na verdade, sou um semianalfabeto em termos de literatura do século XX – e me penitencio por isso -, portanto, aqui estão somente motivos que admiro nos clássicos – e não predicados pelos quais acredito serem eles melhores que os modernos:

– Sabedoria. Ridículo, tanto mais quando se fala de arte. Mas há sabedoria, assim como há beleza. Diferentemente sábio, cada clássico brinda o leitor com uma visão de mundo que certamente o influenciará. Não sei, simplesmente acho o dia mais bonito quando leio Walter Scott. Alguns são mais extremos, mesmo perversos, outros mais moralistas. Não importa. Sabedoria é uma espécie de felicidade intelectual. Mas talvez seja só hipocrisia.

– Inteligência. Dificilmente, você encontrará um erro lógico e grave em um grande clássico. E, se você encontra, é muito provável que seja você quem não tenha entendido direito. Ademais, em clássicos, tenho quase sempre o prazer descontente de ver uma força intelectual que certa nostalgia inerente me faz achar inigualável.

– Beleza. E criatividade. Ler Racine, na fronteira do fetichismo… Ah, melhor não dizer nada sobre o que, se dissesse pouco, seria pior.

– E, sobretudo – na verdade, esse é o único motivo de que nunca duvidei -, a maioria dos clássicos é boa pra caramba.

Turner, Arundel Castle, with Rainbow, c. 1824.

Anúncios

Read Full Post »